Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    04/09/2019

    CAPITAL| Queimadas em Palmas são tema dos discursos na Câmara de Palmas

    ©Aline Batista
    Os vereadores de Palmas utilizaram a tribuna na quarta-feira, 4, para falar, principalmente, sobre as intensas queimadas na Capital, além de cobrar maior atuação da Prefeitura no trabalho de combate ao fogo.

    Filipe Fernandes (DC) deu início aos debates sobre o Meio Ambiente ao afirmar que “o Governo do Estado está praticamente terminando com o batalhão responsável pela fiscalização ambiental, o Cipama (Companhia Independente de Polícia Militar Ambiental)”. Logo depois, Milton Neris (PP) discorreu sobre o sofrimento de pequenos produtores rurais que têm suas propriedades destruídas pelo fogo, cobrando maior atuação da Prefeitura no combate. “Agora ela contratou 20 agentes de paisagismo para combater incêndio. Homens que nem foram treinados para a função. E vão trabalhar com o que se nenhum abafador e nenhum soprador, foram adquiridos este ano? Vão fazer o combate com os equipamentos antigos quebrados?”, questionou.

    Filipe Martins (PSC) também criticou a atuação do Executivo. Por sua vez, Tiago Andrino (PSB) classificou como inadequada a postura da Prefeita diante dos fatos. “A responsabilidade é dar continuidade ao trabalho de combate que já era desenvolvido. Pega fogo todo ano, mas essa é a primeira vez que não contrata ninguém para combater, que não tem um plano de ação. Dessa forma é a chuva que vai salvar a gente, não a Prefeita”, criticou Andrino.

    Já a líder de governo, vereadora Laudecy Coimbra (SD), afirmou que várias ações de conscientização foram tomadas ao longo do ano para reduzir o número de queimadas. “No total, 839 pessoas participaram palestras e 1400 propriedades foram visitadas para receber ações de conscientização, além de peças publicitárias sobre o tema, mas é preciso lembrar que o fogo está onde passa o ser humano. A maioria dos focos é causada por ações das pessoas. É responsabilidade também da população cuidar do meio ambiente, não podemos jogar toda culpa na prefeita”, defendeu.

    Por: Aline Gusmão/ Câmara de Palmas


    Imprimir