Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    25/11/2019

    Em três dias Governo do Estado realiza mais uma captação de órgãos

    A doação de órgãos requer empenho da equipe da Saúde Estadual que realizou mais uma captação em Araguaína, com apoio da Secretaria de Segurança Pública, por meio do CIOPAER e da Força Aérea Brasileira

    A operação contou com o apoio da Secretaria de Segurança Pública, por meio da equipe do CIOPAER, responsável pelo deslocamento ágil entre hospital e aeroporto ©DIVULGAÇÃO
    O processo de doação de órgãos requer empenho da equipe da Saúde Estadual que esteve em Araguaína no último domingo, 24, para realizar mais uma captação com o apoio da Secretaria de Segurança Pública e Força Aérea Brasileira. A ação aconteceu no Hospital Dom Orione e foi a segunda realizada no espaço de três dias pelo Governo do Tocantins.

    “Nossas equipes demonstraram que estão muito preparadas para atuarem na captação de órgãos no Tocantins”, afirmou Dr. Edgar Tollini, secretário de Estado da Saúde. “É pertinente que o Estado esteja apto a colaborar com a diminuição da fila de transplantes”, concluiu o gestor, satisfeito com o desempenho apresentado.

    Na ocasião, foram captados os rins e fígado de uma paciente de 44 anos, beneficiando três receptores: um rim foi remetido a Porto Alegre, outro rim ao Maranhão e o fígado foi enviado a São Paulo. Toda captação ocorrida no Tocantins, seja em unidades da rede privada ou pública, é atribuída à Central Estadual de Transplantes do Tocantins (CETTO), que contou com a presença do médico, Dr. Rudinei Brunetto e da coordenadora do serviço, Suziane Crateús.

    A equipe da Central Nacional de Transplantes se deslocou com o apoio da Força Aérea Brasileira para a captação e remissão para os outros estados e, no Tocantins, toda operação contou com o apoio da Secretaria de Segurança Pública, por meio da equipe do CIOPAER, responsável pelo deslocamento ágil entre hospital e aeroporto.

    Doação

    Para que seja possível a doação, o primeiro grande passo é que a família tenha conhecimento do desejo de ser doador, uma vez que parte dela a autorização para captação dos órgãos. A autorização deve ser concomitante ao quadro de morte encefálica, quando ocorre uma perda definitiva das funções do cérebro e, por isso, a recuperação não é possível. Neste quadro, os órgãos permanecem ativos por um curto período de tempo, o que permite então a captação para que sejam remetidos aos receptores.

    Três dias

    A captação ocorreu apenas três dias após a última realizada no Hospital Geral de Palmas, na última sexta-feira, 22. A família de um jovem de 23 anos, vítima de acidente de trânsito, permitiu que cinco pacientes fossem beneficiados com córneas, fígado e rins, destinados à pacientes de Brasília, Goiânia, Curitiba e dois tocantinenses.








    Por: Mylena Ribeiro


    Imprimir