Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    27/11/2019

    MIRACEMA| Prefeito Saulo Milhomem solicita à Superintendência do Banco da Amazônia permanência da agência no Município

    ©DIVULGAÇÃO 
    Diante da possibilidade de desativação da agência do Banco da Amazônia em Miracema do Tocantins e abertura de um Escritório de Representação/agência de negócios, o prefeito Saulo Milhomem, acompanhado por lideranças do município, esteve na sede da Superintendência do Banco da Amazônia (Basa), em Palmas, para solicitar a permanência da agência no município.

    Tal informação gerou preocupação, não só da gestão municipal, como de diversas entidades públicas e privadas que necessitam da agência, visando à otimização de negócios e serviços. “É de fundamental importância a permanência da agência do Banco da Amazônia em Miracema do Tocantins, pela localização geográfica do município, o que facilita o acesso dos inúmeros clientes residentes na cidade e na região”, destacou o prefeito.

    A história da agência do Basa em Miracema do Tocantins se confunde com a história da cidade. A agência foi determinante para o desenvolvimento econômico, social e político da região, promovendo o desenvolvimento regional e fomento. A agência do Banco da Amazônia em Miracema do Tocantins foi elevada à condição de patrimônio histórico do município, no ano de 2018, de acordo com a Lei Municipal 552/2018.
    ©DIVULGAÇÃO
    A retirada da agência do Município poderia gerar grandes prejuízos para a cidade e, muito provavelmente, ao próprio Basa. O município obteve informações do crescimento substancial no volume de negócios da Agência de Miracema nos dias atuais.

    Desde o início de 2019, o volume de negócios da instituição no município saltou da posição 106ª para a posição 17ª, e o montante de recursos liberados ultrapassou os R$ 21 milhões, superando o ano de 2018 em mais de 300%. Foram contratados, ainda, um volume de R$ 19 milhões em 2019, o que demonstra um crescimento elevado da agência, não justificando sua transformação em um escritório de representação. Sendo assim, a Agência de Miracema é uma das que mais cresce no Estado do Tocantins, conforme os números obtidos com a própria instituição.

    Miracema do Tocantins é uma cidade, basicamente, voltada para a agricultura e pecuária, áreas em que o Banco da Amazônia tem forte atuação, considerando as linhas de crédito mais acessíveis ao produtor rural. O encerramento das atividades da agência pode representar dificuldades no fomento do setor agrícola, que é tão importante para o desenvolvimento da cidade.

    O prefeito Saulo Milhomem, através do Poder Público Municipal, se propõe a estabelecer uma parceria com o Basa, dentro das possibilidades legais e econômicas, com vistas a manter sua agência em pleno funcionamento, oferecendo a possibilidade de locar para o Banco um espaço de propriedade do Poder Público, com o objetivo de possibilitar à agência sua reestruturação física, modernizando suas instalações.

    De acordo com informações do procurador do município, Ryan Diogenes Brasil Mendes Arruda, “o município, desta forma, disponibilizaria o prédio, por meio de um termo de parceria, e o Banco ficaria responsável por adequá-lo aos moldes de uma agência. O valor da contrapartida mensal do Banco representaria um valor simbólico, conforme mencionado, como já é praticado com outros cessionários de imóveis públicos”, esclareceu o procurador. 

    A referida solicitação e proposta foram protocoladas junto à Superintendência do Basa, nessa terça-feira, 26, “estamos confiantes de que a instituição levará em consideração todos os argumentos apresentados e que todos serão beneficiados com a permanência da agência”, concluiu o prefeito Saulo Milhomem.

    Presentes

    Estiveram na Superintendência o prefeito Saulo Milhomem; o procurador do Município, Ryan Diogenes Brasil Mendes Arruda; os vereadores Branquinho do Araras e Cirilo Douglas; o presidente da Aciam, Pedro Quixabeira; o presidente do Sindicato Rural de Miracema, Frederico Sodré; e o superintendente do Banco da Amazônia no Estado do Tocantins, Marivaldo Gonçalves de Melo.

    Por: Juliana Carneiro

    Imprimir