Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    06/11/2019

    Projeto de Lei da deputada Luana Ribeiro que cria Patrulhas Maria da Penha é aprovado na Assembleia

    Luana Ribeiro: "O patrulhamento deverá acontecer semanalmente em locais determinados pela Secretaria da Segurança Pública" ©DIVULGAÇÃO
    Mecanismo importante para o combate e enfrentamento da violência contra as mulheres no Tocantins, o projeto de lei 36/2019, que institui as Patrulhas Maria da Penha no Estado, foi aprovado pela Assembleia Legislativa nessa terça-feira, dia 5. De autoria da deputada Luana Ribeiro, a proposta segue para a sanção do governador Mauro Carlesse.

    Na prática, a iniciativa da parlamentar visa estabelecer a “relação direta com a comunidade, assegurando o acompanhamento e atendimento das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar”.

    Pelo projeto, as patrulhas serão formada por policiais femininos. “Essa é uma inovadora e importante ação para garantir a união de esforços de forma articulada e em parceria com diversos órgãos para combater as várias formas de violência contra as mulheres, assegurando o acesso a uma estrutura de atendimento adequado, bem como executando ações estratégicas para a integração, ampliação e adequação dos serviços públicos especializados para o atendimento às mulheres em situação de violência”, argumentou a deputada.

    A proposta, que segue as diretrizes da Lei Federal nº 11.340/2006, estabelece que “o patrulhamento deverá acontecer semanalmente, em locais determinados pela Secretaria da Segurança Pública, para garantir o cumprimento das medidas protetivas estabelecidas pela Lei Maria da Penha, concedidas pela Justiça às mulheres vítimas de violência doméstica”. “A ideia desse projeto é mudar o comportamento, o pensamento e mostrar como ações efetivas no combate a esse tipo de violência podem ser implementadas. Essas medidas e ações por parte de todos os poderes públicos e de toda a sociedade são necessárias para reduzir a violência contra as mulheres e acabar com a impunidade”, destacou a deputada, na justificativa formal contida no PL.

    ASSECOM


    Imprimir