Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    11/12/2019

    Balanço positivo marca avanços em 2019 na Saúde Estadual

    Gestão alinhada com as necessidades do Governo e da população tocantinense garante melhorias práticas na Saúde Pública do Tocantins

    Cerca de 5000 cirurgias eletivas foram realizadas este ano nos hospitais da Rede Estadual de Saúde do Tocantins ©Nielcem Fernandes
    Um ano de avanços e conquistas na saúde tocantinense rendeu balanço positivo para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) que são assistidos pelas unidades hospitalares da Rede Estadual. São várias frentes de trabalho que, com o objetivo de descentralizar e aprimorar a Saúde por todo o Estado, obtiveram sucesso.

    “Temos levado uma melhoria constante à Saúde Pública do Tocantins”, afirma o doutor Edgar Tollini, gestor da Secretaria de Estado da Saúde (SES). “Dedicação, comprometimento das equipes e fortalecimento da estrutura, junto à credibilidade com fornecedores e prestadores de serviços, colaboraram com o cenário que vemos hoje na saúde tocantinense”.

    HGP

    Com o atendimento descentralizado, a redução do encaminhamento de pacientes com casos de média complexidade e medidas enérgicas para melhorarem o fluxo de trabalho, o HGP se preparou para utilizar os novos centros cirúrgicos e reduzir o tempo de permanência de pacientes, bem como apresentar excelentes números no que se refere aos procedimentos cirúrgicos. Anteriormente, os pacientes de cirurgias ortopédicas aguardavam agendamento em uma sala cirúrgica dividida com outras especialidades. Hoje, a ortopedia conta com duas salas exclusivas somente para a especialidade.

    “Temos tentado levar uma melhoria constante à Saúde Pública do Tocantins. Hoje, apresentamos fila zero na área da Hemodinâmica, recebendo pacientes infartados em um curto prazo, por exemplo, sendo o Tocantins referência para tratamento desta área”, ressalta o secretário. “Melhoramos o fluxo da ortopedia e as condições das neurocirurgias, que são cirurgias de alta complexidade, e hoje elas são feitas com o paciente acordado, uma prática que poucos estados da Federação realizam”, destaca.
     Tocantins entrou definitivamente na rota da Central Nacional de Transplantes, realizando captações em Araguaína e Palmas ©Nielcem Fernandes
    Captação de órgãos

    A Central Estadual de Transplantes do Tocantins (CETTO) demonstrou sua preparação para que o Estado entre definitivamente na rota da Central Nacional e colabore com a diminuição das filas nacionais. Foram realizadas captações em Araguaína e Palmas, em parceria com a Secretaria de Estado da Segurança Pública que realizou o traslado dos profissionais envolvidos com a agilidade e a precisão que uma captação necessita.

    Tocantins destaque na cobertura do Sarampo

    O Tocantins alcançou 101,69% de cobertura contra o sarampo em crianças, e está entre os 14 estados que superaram o índice de 95% das crianças vacinadas, sendo o único da Região Norte a bater a meta. A campanha ocorreu de 7 a 25 de outubro, quando crianças de seis meses a menores de cinco anos tiveram a caderneta de vacinação avaliada.

    No Estado, 98% dos municípios atingiram a meta de mais de 95% de cobertura vacinal proposta pelo Ministério da Saúde (MS), 23 municípios atingiram menos de 90% e 18 municípios entre 90 e 95%. Os dados divulgados mostram que 67.387 crianças foram imunizadas.

    O Estado continua isento de casos confirmados de sarampo, não havendo confirmação até o momento. Segundo informações do Ministério da Saúde, nos últimos 90 dias, foram confirmadas 14 mortes pela doença no Brasil, sendo sete em menores de cinco anos de idade, três na faixa etária de 20 a 29 anos e quatro em adultos maiores de 40 anos. Foram 13 óbitos registrados em São Paulo e um em Pernambuco.

    Valorização de profissionais

    Os profissionais das unidades estaduais foram valorizados com reajuste salarial, oferecendo contrato de R$ 15 mil a médicos especialistas. O chamamento público atraiu profissionais para diversas unidades, como Miracema e Porto Nacional. Hoje, essas unidades finalmente estão aptas a realizar cirurgias e desafogam o encaminhamento de pacientes ao HGP.

    Junto ao reajuste salarial, a nova proposta da carga horária dos profissionais de saúde foi necessária para atender determinação judicial e exigências de órgãos de controle, como o Tribunal de Contas do Estado (TCE), levando em consideração também o pedido das entidades representativas.

    PAGH Cirúrgico alavanca cirurgias eletivas

    Aproximadamente 5 mil cirurgias eletivas, aquelas em que o paciente não corre risco iminente de vida, foram realizadas em 2019. O número expressivo surpreende devido às condições anteriores, com o atendimento centralizado no HGP que, com apenas seis salas cirúrgicas, constantemente priorizava os pacientes de cirurgias de urgência e emergência encaminhados de todo o Estado.

    Com a valorização dos profissionais e o aprimoramento das equipes em unidades estaduais, o Programa de Aprimoramento da Gestão Hospitalar (PAGH-Cirúrgico), o Opera Tocantins, alavancou as cirurgias eletivas realizadas no Estado, com objetivo de permitir a ampliação do acesso aos procedimentos cirúrgicos eletivos de baixa, média e alta complexidade, dirigidos aos pacientes relacionados em lista de espera mantida pela Central Estadual de Regulação, obedecendo as normas próprias do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Secretaria da Saúde.

    Para que os procedimentos se enquadrem no Programa, eles devem ser realizados aos sábados, domingos, feriados, dias de ponto facultativo e durante a semana, inclusive em período noturno/madrugada, em data definida, desde que não ocorram durante jornada ordinária ou extraordinária de trabalho, oferecendo aos profissionais envolvidos gratificação pelo cumprimento da jornada extra. Foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) do dia 28 de novembro, a Lei n° 3.559 de 26 de novembro de 2019, a qual altera dispositivos da Lei n° 3.369, de 4 de julho de 2018, que institui o Opera, permitindo a inclusão também do Instrumentador Cirúrgico no PAGH-Cirúrgico.

    Cirurgias cardíacas e cardiopediátricas

    Com a retomada de cirurgias cardíacas abertas no HGP, a Saúde passou a economizar mais de R$ 2,5 milhões, em comparação ao valor investido em 2018 com a transferência de pacientes para a realização de procedimentos no Hospital Dom Orione, no município de Araguaína, 400 km distante da Capital, por meio de convênio. A retomada destas cirurgias no hospital proporcionou, além da economia financeira, a redução no tempo de espera e consequentemente, reflete positivamente na vida dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) do Tocantins. Com uma agenda definida para todas as segundas e as quintas-feiras, a unidade consegue atender a demanda de leitos de UTI de rotina e promover os cuidados dispensados aos pacientes que realizam os procedimentos mencionados acima.

    O Tocantins entrou para o seleto grupo de estados com serviços de cirurgias cardíacas pediátricas congênitas, procedimento de alta complexidade que irá atender a demanda reprimida de pacientes que estavam sendo encaminhados para outros estados. Atualmente, os procedimentos são realizados em Araguaína, no Hospital Dr. Eduardo Medrado. Sete crianças que aguardavam na Central Nacional de Regulação de Alta Complexidade (CNRAC) realizaram os procedimentos bem sucedidos, todas as crianças passam bem.

    Entregas

    O HGP foi contemplado com 50 monitores multiparamétricos e 10 desfibriladores que farão parte da estruturação do parque tecnológico da unidade. Os aparelhos avaliados em cerca de R$ 1,6 milhão foram doados pelo Ministério da Saúde (MS), por meio do Programa Parceiras para o Desenvolvimento Produtivo (PPDP), que visa equipar a saúde pública com equipamentos considerados estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS).

    Recursos próprios e emendas de parlamentares tornaram possível a entrega de cinco veículos para a Hemorrede tocantinense, outros dois para o Centro de Reabilitação, destinados às unidades de Colinas e Palmas, bem como um veículo para a atuação da Vigilância em Saúde.
    As obras do Hospital Geral de Gurupi foram reiniciadas após pausa para readequações e a previsão é que a primeira etapa esteja concluída em 2020 ©Divulgação
    Obras

    As obras do Hospital Geral de Gurupi (HGG) foram reiniciadas após pausa para readequações e a previsão é de que a primeira etapa esteja concluída em 2020, dispondo de 100 novos leitos para atendimento da população da região macro sul do Estado. Com a conclusão final das obras do HGG, será possível dobrar esta capacidade, efetivando ainda mais a descentralização dos serviços que, hoje, se concentram em Palmas.

    “Precisamos oferecer, à população, desta região toda a assistência necessária e com qualidade de serviço na Saúde Pública da região sul”, disse Edgar Tollini a respeito das expectativas de atendimentos na região.

    Outra unidade que está em obras de reforma e adequação é o Centro Especializado em Reabilitação (CER III) de Palmas. A obra orçada em aproximadamente R$ 1,4 milhão contará com recursos oriundos de repasse federal e contrapartida do Executivo Estadual e será executada pela empresa Construtora Acauã LTDA que deverá entregar a obra ainda durante o segundo semestre de 2019.

    O Governo atendeu também outras solicitações do Centro de Reabilitação, dando prosseguimento a processos de 2017 e início de 2018. Somente em 2019 já foram entregues 144 cadeiras de rodas.

    O HGP contou com as obras que entregaram 10 novos centros cirúrgicos. A unidade que, desde sua inauguração contou somente com seis blocos cirúrgicos, agora dinamiza os procedimentos e agiliza não somente a fila de espera por procedimentos eletivos, como diminui o período de permanência dos pacientes na unidade. Antes com média de 40 dias de internação, os indicadores apontam 50% de redução neste número.

    Além da ampliação dos centros cirúrgicos, o HGP está reformando todo seu ambulatório que permitirá maior dinamicidade nos atendimentos com aumento do quantitativo de consultórios, tanto para pequenos procedimentos e procedimentos ginecológicos como para atendimentos. Desta forma, será aprimorada a distribuição dos profissionais que dividem consultórios fazendo com que a demanda de atendimento seja maior. A mudança da atual estrutura traz a possibilidade de melhorias no acolhimento do paciente no ambulatório da unidade.

    Radioterapia

    Os atendimentos de radioterapia foram retomados em Araguaína. A unidade está apta a realizar o tratamento dos casos de urgência e emergência com todos os reparos efetuados, bem como a fiscalização pelo órgão Federal responsável que aprovou as novas instalações.

    A liberação da máquina traz maior comodidade aos pacientes atendidos na Unacon/HRA, pois não necessitarão se deslocar para outro estado para realizar o tratamento, reduzindo também os custos para a gestão com o pagamento da transferência destes usuários. Para retomada integral dos serviços da Radioterapia, a Secretaria providencia somente a contratação de médico Radioterapêuta.

    Resgate da credibilidade e abastecimento

    A gestão também executou ações e planejamentos que visaram o aprimoramento da rede Estadual de Saúde, com aquisição de medicamentos, materiais e insumos para melhor atendimento de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), buscando regularizar quaisquer faltas pontuais que tenham ocorrido.

    Além das aquisições mais recentes, a SES regularizou pagamentos a fornecedores, tendo destinado verbas para quitação de dívidas e iniciado auditoria para que as empresas cumpram com a reposição dos medicamentos necessários, medidas estas que resgataram a credibilidade da Secretaria, que realizou investimento de mais de R$ 20 milhões em processos de compras de medicamentos, insumos, equipamentos e instrumentais cirúrgicos finalizados. O abastecimento que, no início do ano, apresentava menos de 60% da demanda necessária; hoje, alcança a marca dos 90%.

    Os municípios tocantinenses contaram também com benefícios da gestão Estadual, que, em parceria para alinhar e garantir assistência integral aos usuários do SUS, principalmente por meio de repasses, realizou um investimento que soma mais de R$ 11 milhões. 
    O abastecimento de materiais e medicamentos hospitalares que no início do ano apresentava menos de 60% da demanda necessária, hoje alcança a marca dos 90% ©Nielcem Fernandes


    Por: Mylena Ribeiro


    Imprimir