Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    12/12/2019

    Deputada Dorinha lamenta teoria de Weintraub sobre "drogas nas universidades" e elenca prioridades da Educação

    ©REPRODUÇÃO
    Na véspera da votação orçamentária, com recursos reduzidos para a Educação em 2020, a deputada professora Dorinha (DEM) criticou a importância atribuída pelo ministro Abraham Weintraub às denúncias de supostas plantações de maconha e laboratórios de drogas nas universidades públicas.

    "Temos assuntos muito importantes que precisam ser enfrentados. Nós vamos votar, ainda essa semana, o orçamento da Educação. Infelizmente os recursos para investimentos estão reduzidos", enfatizou. 

    A deputada também considera que o MEC deveria voltar a atenção às políticas públicas para a educação infantil e aos debates sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que na avaliação da parlamentar "precisam ser atualizados". 

    Weintraub foi convocado pela Comissão da Educação da Câmara dos Deputados e questionado durante sete horas, nesta quarta-feira (11), a respeito de uma declaração à imprensa, feita no mês passado, afirmando a institucionalização da produção e comercialização de entorpecentes dentro das universidades públicas. Em específico, ele citou a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade de Brasília (UnB), chegando a afirmar a existência de laboratórios que produzem metanfetamina.

    Durante sua fala na Comissão, o ministro apresentou uma série de reportagens sobre o assunto. Para Dorinha, a abordagem do ministro "generaliza situações pontuais, apresentando-as ao parlamento e a sociedade como práticas normais e corriqueiras das instituições". 

    Prioridades

    De acordo com o IBGE, pelo menos 11,3 milhões de pessoas com mais de 15 anos não sabem ler ou escrever no Brasil. 

    O acesso a educação é uma das pautas prioritárias da deputada Dorinha. Relatora da PEC do Fundeb, a parlamentar acredita na permanência do Fundo - que tem prazo de validade até 2020- e na destinação de mais verbas por parte da União - que hoje banca menos de 10% dos recursos-

    como mecanismos de fortalecimento e democratização do acesso a educação básica por parte dos brasileiros.

    Os recursos do Fundeb são aplicados por estados para a manutenção das escolas e remuneração de profissionais da Educação, garantindo o ensino público para quase cinquenta milhões de estudantes.

    Na Câmara, a proposta que torna o Fundeb permanente aguarda votação em uma comissão especial.

    ASSECOM

    Imprimir