Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    01/12/2019

    LAJEADO| Júnior Bandeira é eleito prefeito em eleição suplementar

    Dois candidatos estavam na disputa. O segundo colocado, Antonio Alves Oliveira (PSL), conhecido como Toninho da Brilho, não conquistou 1% dos votos válidos.

    ©DIVULGAÇÃO
    Já com as urnas apuradas, Júnior Bandeira (PSB) é o novo prefeito de Lajeado após eleição suplementar que ocorreu neste domingo, 01 de dezembro. Na mesma eleição, José Edival Gomes Alves foi eleito vice-prefeito.

    Prefeito e vice concorreram pela coligação Fé, Família e Trabalho (PSB, MDB, PV, SOLIDARIEDADE) e conquistaram 100% dos votos válidos (1.779 votos).

    O segundo colocado, Antonio Alves Oliveira (PSL), conhecido como Toninho da Brilho, não obteve voto. A contabilização dos votos do candidato não aparece no sistema por ele ter concorrido sub judice (o candidato teve o registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral e está em fase de recurso ao Tribunal Regional Eleitoral). Fábio Bezerra concorria como vice na mesma chapa. 

    Logo cedo, Toninho foi até a Escola Estadual Sebastião de Sales Monteiro, mas não conseguiu votar por estar com o título de eleitor suspenso.

    Foram quatro locais de votação ao todo, com 14 seções e 42 mesários participaram do pleito. Ainda sobre o resultado da eleição, foram registrados 42 votos brancos, 91 votos nulos e 732 abstenções. 

    Eleição em Lajeado

    Cerca de 2300 eleitores (75%) participaram da eleição suplementar no município de Lajeado, que aconteceu das 8 às 17 horas. A votação ocorre após cassação do prefeito e vice-prefeito do município e os novos eleitos cumprirão mandato tampão até 31 de dezembro de 2020. Confira os locais de votação no final da matéria.

    Cassação

    A Eleição Suplementar acontece após a cassação do diploma do ex-prefeito Tércio Dias Melquíades Neto (PSD) e o seu vice, Gilberto Borges (PSC), ocorrida em outubro deste ano. Tércio e Borges foram eleitos em 2016 e a cassação deles foi motivada por acusações de que estariam sendo beneficiados com um esquema que envolvia compra de votos nas últimas eleições municipais. Entretanto, ambos negam as acusações e recorreram da condenação.

    Fonte: T1

    Imprimir