Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    10/12/2019

    Vice-governador e Presidente da Ilha Príncipe manifestam Interesse em Programa de Intercâmbio Cultural

    Foco do encontro foi desenvolver parcerias entre os dois países; gestores abordaram as oportunidades de cooperação, nomeadamente na área cultural 

    Durante a conversa, concordaram e assinalaram sobre a importância de aprofundar a compreensão mútua entre as sociedades brasileira e espanhola ©DIVULGAÇÃO
    Na tarde desta terça-feira, 10, o vice-governador do Tocantins Wanderlei Barbosa, acompanhado da comitiva tocantinense, se reuniu com o Presidente do Governo Regional da Ilha do Príncipe, a segunda maior ilha do arquipélago de São Tomé e Príncipe, José Cardoso Cassandra. Encontro ocorreu em Madri, Barcelona, onde a comitiva tocantinense está participando da Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (COP 25).

    Durante o encontro, o foco foi desenvolver parcerias entre os dois países, Wanderlei Barbosa e José Cardoso Cassandra abordaram as oportunidades de cooperação, nomeadamente na área cultural. O presidente demonstrou maior interesse em um Programa de Intercâmbio Cultural entre a Universidade Federais do Tocantins (UFT), Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) e Ilha do Príncipe.
    ©DIVULGAÇÃO
    Durante a conversa, concordaram e assinalaram sobre a importância de aprofundar a compreensão mútua entre as sociedades brasileira e espanhola. Para esse fim, decidiram incentivar o intercâmbio cultural.

    De acordo com o vice-governador, o Presidente da Ilha Príncipe vai fazer questão de enviar em breve uma comissão para visitar o Tocantins e conhecer os projetos culturais. Um dos programas que o príncipe vai analisar é a implantação do Programa de Intercâmbio Cultural no Estado.
    ©DIVULGAÇÃO
    Ainda segundo Wanderlei Barbosa, ter a oportunidade de despertar o interesse entre estudantes dos dois países será muito importante para o crescimento não só do Tocantins como também de São Tomé e Príncipe. “Nós temos muitos estudantes fora do país que estudam em realidades completamente distintas e muitos dos quais não regressam ao Estado, mas o interesse do Governo é que eles retornem com os conhecimentos angariados no país os quais foram estudar”, disse.


    ASSECOM

    Imprimir