Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    24/01/2020

    MIRACEMA| Prefeitura e Conseg promovem roda de sugestões sobre segurança pública

    ©DIVULGAÇÃO
    A Prefeitura de Miracema e o Conselho Comunitário de Segurança Pública do município (Conseg), após participarem de uma reunião no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar do Estado do Tocantins, em Palmas, promoveram na noite dessa quinta-feira, 23, uma roda de conversa no auditório da ACIAM, para discutir e encontrar alternativas viáveis e eficazes para a melhoria da segurança da cidade.

    O movimento ganhou força após as últimas ocorrências registradas no município e da grande repercussão nas redes sociais. Diante do panorama atual, o Conseg intermediou uma conversa entre a comunidade, representantes das polícias, civil, militar e também dos poderes legislativo e executivo.

    De acordo com informações do comandante da 6ª Companhia Independente da Polícia Militar, Major Murilo Pires de Avelar, os indultos natalinos, as leis defasadas e o aumento de aposentadorias, que diminuíram o efetivo militar, tem prejudicado o trabalho de prevenção da PM não só em Miracema, mas em diversas cidades do Estado.

    O major ainda enfatizou o quanto a PM precisa da colaboração da comunidade no repasse de informações e citou algumas medidas que moradores e comerciantes podem tomar para dificultar ou até mesmo impedir as ações de infratores, como: alarmes, cercas elétricas, câmeras, videomonitoramento pelo celular, dentre outras.

    O delegado da Polícia Civil, Clecyws Antonio de Castro Alves, ressaltou que apesar dos últimos registros e da repercussão, as estatísticas baixaram, “houve um tempo em que registrávamos 123 furtos por mês, hoje, este número caiu pela metade. Temos problemas sim, mas não vivemos um caos. Quero aproveitar a oportunidade para parabenizar a Prefeitura por ser parceira e manter a manutenção em dia, principalmente na parte de iluminação. O que acontece é que infelizmente, as lâmpadas estão sendo quebradas de propósito”.

    O delegado ainda frisou o quanto as polícias têm perdido efetivo e da urgência em se realizar o concurso público. “Infelizmente o contingente, hoje, não é capaz de realizar o trabalho que fazíamos há alguns anos. Daí o Estado disponibiliza mais policiamento onde a demanda é maior e prioritária, como em casos de cidades com alto índice de homicídio e latrocínio. No nosso município há mais registros de crimes contra o patrimônio, claro, que não quero que esse número aumente, estou apenas esboçando a situação”.

    O Delegado ainda ressaltou que momentos como estes são essenciais para o desenvolvimento da sociedade. “Discutir, sugerir e colaborar é muito importante. Somos todos, comunidade e devemos trabalhar para o bem comum”.

    Criação da Guarda Municipal, Videomonitoramento 24h, ronda civil voluntária e ampliação do monitoramento privado (guardas noturnos) foram algumas das sugestões apresentadas pela comunidade. 

    Na oportunidade o presidente do Conseg, Thaller Rogério, disse que a possibilidade de implantação da guarda municipal já está sendo estudada pela gestão e esboçou a dificuldade do conselho que não tem recursos para manter, por exemplo, o videomonitoramento 24h, já que não tem como pagar um funcionário para verificar as câmeras em tempo integral dentre outras despesas. 

    O presidente pensou na possibilidade da colaboração facultativa dos moradores, através da conta de energia, de maneira que o valor repassado iria para aquisição de mais câmeras, manutenção do equipamento existente e salário dos funcionários responsáveis pelo monitoramento. 

    Presentes:

    Estiveram presentes, Thaller Rogério, presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública, nesta reunião também representando o prefeito Saulo Milhomem; comandante da 6ª Companhia Independente da Polícia Militar, Major Murilo Pires de Avelar; Delegado de Polícia Civil, Clecyws Antônio de Castro Alves; presidente da Aciam, Pedro Quixabeira; vereadores, Branquinho do Araras, Pedro da Farmácia, demais parlamentares; membros do Conselho Tutelar; membros do Águia Monitoramento privado; comerciantes e pessoas da comunidade geral.







    Por: Juliana Carneiro


    Imprimir