Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    12/02/2020

    Homem suspeito de estuprar duas crianças é preso pela Polícia Civil em Itacajá

    Contra o suspeito já haviam dois outros mandados de prisão em aberto por crime de estupro de vulnerável

    ©ILUSTRAÇÃO
    Policiais Civis da 51ª Delegacia de Polícia de Itacajá, na região centro norte do Estado, comandados pela delegada Jeanie Daier de Andrade, efetuaram na tarde desta terça-feira, 11, a prisão de um indivíduo de 34 anos pela prática de crime de estupro de vulnerável, praticado contra duas crianças de 10 e 11 anos naquela cidade.

    Segundo a Delegada, o indivíduo abordou as crianças quando elas estavam a caminho da escola e, utilizando-se de uma faca, as coagiu a entrar em seu veículo. No interior do carro, o homem praticou atos libidinosos contra as meninas, deixando- as depois em outro local e as ameaçou de morte caso contassem sobre o fato a alguém.

    Conforme apurado, as meninas chegaram em casa muito assustadas e, chorando, relataram para as mães o que havia acontecido. De imediato, as mães acionaram a polícia, que iniciou as buscas pelo suspeito. Policiais Civis e Militares participaram das buscas e localizaram o suspeito, que resistiu à prisão e ainda tentou ferir um agente com uma faca.
    Ao ser levado para a Delegacia de Polícia de Itacajá, o fato chamou a atenção da população e mais de 100 pessoas se dirigiram à delegacia em um ato de revolta. Temendo um possível linchamento, a Delegada determinou a apresentação do preso ao delegado plantonista em Pedro Afonso.

    A ficha do homem foi levantada e foi verificado havia em seu desfavor dois mandados de prisão em aberto por crimes de mesma natureza (estupro e estupro de vulnerável), ambos oriundos da Comarca de Goiânia.

    O suspeito foi apresentado ao delegado de plantão Bernardo José Rocha Pinto, em Pedro Afonso, o qual lavrou auto de prisão em flagrante e cumpriu os referidos mandados de prisão. Em seguida, ele foi conduzido a Casa de Prisão Provisória de Guaraí, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

    Por: Rogério de Oliveira


    Imprimir