Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    18/02/2020

    Qualidade de vida: Deputado Zé Roberto compara números de Cuba com os do Brasil

    ©DIVULGAÇÃO
    Qualidade de vida dos cubanos em relação a dos brasileiros foi tema de debate levantado na Tribuna da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Zé Roberto Lula. Ele afirmou que o tema se fez necessário tendo em vista “alguns questionamentos” que tem recebido sobre a qualidade de vida dos cubanos em relação aos brasileiros, e a comparação entre o regime socialista cubano e a atual política de exclusão social do Brasil.

    Zé Roberto Lula falou sobre os dados divulgados anualmente pela ONU - Organização das Nações Unidas, na qual no último censo apontou, que 92% da população de Cuba tem acesso a água tratada e enquanto isso no Brasil, esse índice não chega a 60% da população.

    "Acesso a esgoto tratado, em Cuba 98% da população tem acesso e no Brasil não chega a 40%. E moradia também tem um dado interessante. 85% da população cubana tem casa própria, 15% aluga a casa do governo e paga no máximo dois dólares, ou seja, o equivalente à 6 reais por mês”, argumentou o deputado.

    O desemprego, também foi tema levantado por Zé Roberto. “No Brasil passa de 13 milhões de brasileiros desocupados, enquanto o desemprego em Cuba é abaixo de 2%, o que o torna inexistente segundo os dados da ONU”, alertou.

    No Turismo, o deputado colocou que, Cuba, mesmo sendo um país pequeno, recebe mais de 5 milhões de turistas por ano, enquanto o Brasil recebe apenas 4 milhões. “Na Educação, Cuba também é destaque: 99,8% da população tem acesso. Além disso, nos testes da América Latina, a nota média de aprovação dos estudantes de Cuba é quase o dobro da nota média de aprovação do nosso país”, informou.

    O deputado concluiu sua fala lembrando as pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza, que por terem poucos números em Cuba, é um dado considerado inexistente. "É o único país que não existe desnutrição infantil, porque todas as crianças cubanas têm acesso a moradia, saúde e educação", pontuou.

    ASSECOM


    Imprimir