Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    20/03/2020

    PANDEMIA| “Em abril o sistema de saúde entrará em colapso”, diz Mandetta

    Reunião para falar sobre emergências do coronavírus
    O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), participa de uma videoconferência com empresários para debater medidas de enfrentamento ao coronavírus. Ao lado do chefe do Executivo está o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que afirmou que até o final de abril o sistema de saúde brasileiro entrará em colapso. O ministro disse, entretanto, que pretende atuar para tentar evitar esse provável cenário.

    O presidente voltou a criticar os governos estaduais que estão tomando medidas mais severas para impedir a propagação do vírus. Fechamento de rodovias, para Bolsonaro, não é de responsabilidade dos governadores. "Não adianta um estado produzir, se outro estado fechar as rodovias", disse.

    O presidente também afirmou que as medidas, se forem tomadas "com histeria" aprofundarão a crise econômica. Desde o início do contágio do coronavírus no Brasil, o presidente, ao contrário do que tem sido feito pelas maiores lideranças mundiais, está chamando de "histeria" ou de "exagero da mídia", a pandemia do coronavírus.

    Porém, na contramão desse discurso, o próprio presidente encaminhou para o Congresso Nacional um pedido de decretação de estado de calamidade pública. O projeto foi aprovado nesta semana na Câmara e no Senado.

    Empresários

    Os empresários pediram para participar do processo de decisão do governo. "Nós precisamos ter um canal aberto, talvez todo final de dia, talvez a cada três dias, com o Ministério da Economia e o Ministério da Saúde. Para os problemas surgirem e nós ajudarmos a resolver", disse o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Scaff.

    Ministro Chefe da Casa Civil, Braga Netto, afirmou que irá entrar em contato para incluir os empresários no Comitê de Organização de Emergência.

    Na sequencia a transmissão da reunião, que estava acontecendo via TV Brasil foi encerrada. Mas as lideranças políticas e os empresários seguem reunidos.

    Por Erick Mota


    Imprimir