Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    07/03/2020

    Ronaldinho chega algemado em audiência para saber se continua preso no Paraguai

    O ex-jogador usou um casaco para tentar esconder a algema

    ©Silvio Rojas Falcón/ABC Color
    Após serem presos preventivamente nesta sexta-feira (6) em Assunção, Paraguai, Ronaldinho Gaúcho e Assis, seu irmão e empresário, deixaram na manhã deste sábado (7) o complexo da Agrupação Especializada da Polícia Nacional do Paraguai. Eles chegaram para nova audiência algemados após passar a noite em cela.

    Na nova audiência, de acordo com o Estadão Conteúdo, juíza Clara Ruiz Diaz determinará se eles continuam presos ou não pelo uso de documentos falsos. Eles chegaram ao local algemados. O ex-jogador usou um casaco para tentar esconder a algema.

    Ronaldinho e Assis participaram de audiência nesta sexta-feira e juiz Mirko Valinotti, do Juizado Penal de Garantias de Assunção, não aceitou a recomendação do Ministério Público, de liberar o jogador e o irmão, e deu 10 dias para a promotoria investigar o caso e dar o parecer definitivo.

    De lá, foram encaminhados ao Grupo Especializado da Polícia Nacional, onde estão detidos à disposição do Ministério Público.

    O magistrado Mirko Valinotti negou o pedido de detenção, e Ronaldinho já tinha passagem comprada para voltar ao Brasil. De acordo com o site ESPN a pedido da Procuradoria Geral do Paraguai, a justiça voltou atrás e determinou ordem de prisão para os irmãos.

    Tal detenção é usada como forma de evitar a saída dos irmãos do país enquanto os documentos falsos são investigados. Na quarta-feira, eles entraram no Paraguai com passaportes que lhes qualificavam com nacionalidade paraguaia.

    Na quinta-feira, o fiscal Federico Delfino afirmou que Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, não seriam presos por entrarem com documentos falsos no Paraguai, tendo apenas que pagarem uma “multa social”. Entretanto, o juiz responsável pelo caso tomou decisão totalmente contrária nesta sexta-feira.




    Por: Mariane Chianezi 

    Imprimir