Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    30/04/2020

    Bolsonaro diz que todo esforço para achatar curva da COVID-19 foi 'inútil'

    O presidente Jair Bolsonaro em sua live semanal ©Reprodução (30.abr.2020)
    O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (30) que todo o esforço para achatar a curva de transmissão do novo coronavírus no Brasil foi inútil. "70% da população vai ser infectada. Pelo que estamos vendo agora, todo empenho para achatar a curva foi praticamente inútil", disse, sem citar dados, durante sua live semanal nas redes sociais.

    A declaração acontece em um dia que o Brasil ultrapassou a China em número de casos confirmados da COVID-19. De acordo com o último balanço do Ministério da Saúde, o país tem 85.380 diagnósticos positivos e 5.901 vítimas fatais.

    "Agora a consequência disso [esforços para achatar curva] é o desemprego", continuou Bolsonaro. "O povo quer voltar a trabalhar. Todo mundo sabe que, quanto mais jovem, menos problema de ter consequência danosa".

    A sugestão do presidente contraria a posição do ministro da Saúde Nelson Teich que, mais cedo, disse que "ninguém está pensando em relaxar o isolamento".

    Ao encerrar transmissão, Bolsonaro disse querer demonstrar solidariedade aos familiares das vítimas da doença. "São seres humanos, não interessa se tinham comorbidade ou idade", disse. "Minha mãe tem 93 anos, espero vê-la com vida por bastante tempo. Fico bastante abatido, assim como todos".

    Direção-geral da PF

    O presidente dedicou 13 dos 27 minutos do pronunciamento para defender a indicação de Alexandre Ramagem à direção-geral da Polícia Federal. Desde que a nomeação foi barrada por decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes nesta quarta-feira (29), Bolsonaro já se manifestou sobre o tema diversas vezes, dizendo que seria dever da AGU (Advocacia-Geral da União) recorrer da suspensão e que, em breve, "sonho" de Ramagem no mais alto cargo da PF se concretizaria.

    O ministro suspendeu a nomeação na esteira das acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro de que o presidente estaria tentando interferir politicamente na PF, pedindo informações sobre investigações em andamento. Moraes justificou a suspensão da nomeação com o fato de que a Suprema Corte abriu inquérito para apurar as afirmações de Moro.

    Ele leu vários pontos do currículo de Ramagem e ressaltou que só o conheceu após o delegado fazer parte de sua equipe de segurança, em novembro de 2018. "Nasceu uma amizade, assim como fazemos amizade com uma pessoa que trabalha na sua casa", disse, citando que o policial foi ao casamento de um de seus filhos.

    O presidente rogou que Moraes e os demais ministros do STF revejam a decisão. "O único crime do Ramagem é ter participado da minha segurança, sua proximidade para comigo", disse. "[Com a posse de Ramagem], todo mundo ganha, o presidente ganha, a população ganha".

    da CNN, em São Paulo

    Imprimir