Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    04/05/2020

    Defesa diz ao STF que abre mão do sigilo do depoimento de Moro à PF

    Em documento enviado ao ministro Celso de Mello, relator do caso no Supremo, advogados do ex-ministro dizem querer evitar 'interpretações dissociadas de todo o contexto das declarações'.

    O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro ©REPRODUÇÃO
    Advogados do ex-ministro da Justiça Sergio Moro afirmaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira (4) que abrem mão do sigilo do depoimento prestado por Moro à Polícia Federal no último sábado (2) a fim de evitar interpretações fora de contexto.

    O depoimento foi colhido no inquérito que apura suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na autonomia da PF, baseado em declarações públicas de Moro.

    Em documento enviado ao Supremo, a defesa do ex-ministro diz que "não se opõe à publicidade dos atos praticados nestes autos", em referência ao depoimento e a futuras medidas.

    Segundo os advogados, a intenção é evitar a divulgação de "trechos isolados" com "interpretações dissociadas de todo o contexto das declarações".

    A equipe que defende Moro no caso diz ainda considerar que todos os "fatos relevantes" do inquérito são de interesse público.

    "[...] Considerando que a imprensa, no exercício do seu legítimo e democrático papel de informar a sociedade, vem divulgando trechos isolados do depoimento prestado pelo Requerente em data de 02 de maio de 2020, esta Defesa, com intuito de evitar interpretações dissociadas de todo o contexto das declarações e garantindo o direito constitucional de informação integral dos fatos relevantes – todos eles de interesse público – objeto do presente Inquérito, não se opõe à publicidade dos atos praticados nestes autos, inclusive no tocante ao teor", dizem os advogados.

    Moro depôs à Polícia Federal em Curitiba, no sábado, por mais de oito horas. Segundo a TV Globo apurou, além de confirmar provas que já tinha apresentado da suposta interferência de Jair Bolsonaro, o ex-ministro entregou novos documentos e permitiu a extração de dados de seus aparelhos eletrônicos.

    Até a publicação desta reportagem, o Supremo Tribunal Federal ainda não confirmava ter recebido o depoimento de Moro.

    Caberá ao ministro Celso de Mello definir se o material será mantido em sigilo ou divulgado nesta etapa das investigações.

    Na tarde desta segunda, o procurador-Geral da República, Augusto Aras, enviou novos pedidos de diligências ao STF.

    Celso de Mello deve analisar os documentos para, então, definir se autoriza novas medidas como coleta de depoimentos e perícia em arquivos do celular de Moro.

    Por Camila Bomfim e Mateus Rodrigues, TV Globo e G1 — Brasília


    Imprimir