Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    25/05/2020

    Petrobras espera retomar processo de redução do endividamento em 2021

    Presidente da estatal reforça, porém, que o ambiente ainda é de incertezas e não é possível fazer projeções; meta de desalavancagem foi abandonada neste ano.

    Prédio da Petrobras no Rio de Janeiro ©Sergio Moraes/Reuters
    O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse nesta segunda-feira (25) esperar que a desalavancagem da empresa seja retomada a partir do ano que vem. O executivo destacou, porém, que o ambiente ainda é de incertezas para fazer projeções nesse sentido.

    "Espero que sim [a companhia retome o processo de desalavancagem em 2021], mas o ambiente é de incerteza", afirmou ele, ao ser questionado sobre o assunto, em evento on-line promovido pela Genial Investimentos.

    Diante do choque dos preços do petróleo, a companhia reviu a sua meta de desalavancagem para 2020. A empresa abandonou a meta de atingir o índice de dívida líquida/Ebitda de 1,5 vez ao fim deste ano e traçou como objetivo encerrar 2020 com um endividamento bruto de US$ 87 bilhões, no mesmo patamar de 2019.

    “As metas de desalavancagem para 2020 eram impossíveis de serem atingidas”, disse.

    Ele destacou que a companhia mantém a intenção de reduzir a dívida bruta para abaixo de US$ 60 bilhões. "Esse é um patamar de endividamento que julgamos confortável para a Petrobras", comentou.

    Castello Branco disse ainda que não há, no momento, “nenhuma chance” de que a estatal seja privatizada.

    "No momento [a privatização da Petrobras] não é um assunto sobre a mesa", afirmou o executivo. Ele comentou, porém, que a empresa poderá continuar a promover privatizações de algumas de suas subsidiárias, por meio do programa de desinvestimentos da petroleira.

    "Podemos desinvestir de empresas subsidiárias ou fechar algumas, como fizemos com a Araucária Nitrogenados", disse.

    Por Valor Online

    Imprimir