Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    08/05/2020

    Presidentes do Sistema S analisam efeitos da pandemia para empresários

    O debate foi transmitido simultaneamente, na noite desta quinta-feira,07, nas redes sociais do Sebrae Tocantins e acompanhado por mais de 500 pessoas

    ©REPRODUÇÃO
    Em transmissão ao vivo na noite desta quinta-feira,07, o presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae (CDE), Rogério Ramos, mediou um debate entre o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (Fieto), Roberto Pires e o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do estado do Tocantins (Fecomércio -TO), Itelvino Pisoni.

    Juntos, os três gestores discutiram sobre os impactos causados pela pandemia da COVID 19 aos empresários tocantinenses e apresentaram as medidas que as instituições tomaram em apoio as classes empresariais. O debate foi transmitido simultaneamente nas redes sociais do Sebrae Tocantins e acompanhado por mais de 500 pessoas. Os presidentes destacaram que o atendimento para acesso ao crédito tem sido o mais procurado pelos empresários.

    Roberto Pires ressaltou as medidas tomadas pela Fieto para dar continuidade no atendimento aos empresários. “Iniciamos com o isolamento e seguindo as recomendações das autoridades em saúde. Direcionamos nossos esforços para o apoio de forma remota e já contabilizamos 240 atendimentos relacionados ao acesso ao crédito. Estamos implantando o ensino a distância sobre exportações, continuamos nossas pesquisas para ajudar nas tomadas de decisões dos empresários e o apoio institucional em defesa dos interesses da indústria”, explicou o presidente da Fieto.

    Para Itelvino Pisoni, as incertezas que a pandemia carrega fizeram os empresários se reinventarem e fortaleceu o uso de tecnologias. “As demandas das farmácias e supermercados estão maiores. Já os setores de vestuário e calçados vem sofrendo cada vez mais quedas em seus faturamentos. Queremos que o comércio volte a funcionar e estamos acompanhando as negociações com os gestores municipais em relação aos horários de funcionamento, respeitando as autoridades e priorizando a responsabilidade por parte dos empresários”, afirmou. 

    ASSECOM/SEBRAE-TO


    Imprimir