Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    05/06/2020

    Aula inaugural marca início de pós-graduação direcionada a professores que atuam com educação especial

    O curso conta com aproximadamente 50 professores que atuam em qualquer modalidade ou função nas unidades escolares da rede estadual, além dos técnicos da educação especial

    A titular da Seduc, Adriana Aguiar, destacou a importância da proposta para a inserção dos estudantes autistas na sociedade ©DIVULGAÇÃO
    A Pós-graduação Lato Sensu em Transtorno do Espectro Autista (TEA) no Âmbito das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC), fruto de parceria entre a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), a Universidade Federal do Tocantins (UFT) e o Instituto de Pesquisa e Extensão de Desenvolvimento Regional do Centro Norte Brasileiro (Ipex-Regional), iniciou suas atividades na noite desta sexta-feira, 5, com a aula inaugural em ambiente virtual, com a participação de alunos, professores do curso e convidados.

    Durante a aula inaugural, a titular da Seduc, Adriana Aguiar, destacou a importância da proposta para a inserção dos estudantes autistas na sociedade. “Hoje, temos 359 estudantes diagnosticados com autismo, atendidos em 108 unidades de ensino da nossa rede. E essa é uma oportunidade para capacitarmos os nossos profissionais. Entendo que a educação é a porta mais importante para a construção da cidadania. Temos cerca de 50 profissionais inscritos no curso, ou seja, profissionais que trabalharão de forma estratégica com os nossos jovens”, destacou.
    Participaram da aula inaugural os alunos matriculados, professores do curso e convidados ©DIVULGAÇÃO
    O curso em Transtorno do Espectro Autista no Âmbito das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação conta com uma carga horária de 360h e tem como objetivo potencializar a formação de educadores da rede estadual de ensino, baseado no uso de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs). O público-alvo são professores que atuam em qualquer modalidade ou função nas unidades escolares da rede estadual, além dos técnicos da educação especial. Também visa criar condições para que o profissional compreenda as características específicas do TEA e a construção de práticas de inclusão de alunos com autismo em diferentes ambientes.

    O coordenador geral do curso TEA-TDIC, George França, destacou o processo de criação do curso. “Esse projeto representa a realização de um sonho para nós e fortalecem as estratégias com a educação especial em nosso Estado e, consequentemente, em todo o Brasil. Esse curso nasceu de um projeto que discutimos amplamente e contamos com diversos parceiros, assim como fizemos contato com professores de outras instituições para compor o nosso grupo de professores para ministrar esse tema tão importante”, frisou.

    A especialização seria realizada exclusivamente na modalidade presencial, mas devido à necessidade de distanciamento social, em função da pandemia do novo coronavírus, o projeto passou por readequação e, neste primeiro momento, as aulas serão realizadas na modalidade de Ensino a Distância (EaD) para três disciplinas, por meio do ambiente virtual de aprendizagem Moodle. Esse ambiente será utilizado para interações, aulas, atividades online, conferências, fóruns e para a disponibilização de textos que serão utilizados pelos professores do curso. O curso é gratuito, com módulos ministrados a cada 15 dias.

    O senador Eduardo Gomes foi um dos parceiros no desenvolvimento do projeto com direcionamento de emenda parlamentar. Para ele, o início das aulas representa uma grande conquista. “Esse é o primeiro passo para um sistema estruturado para que os professores possam dar uma assistência maior para os estudantes com Transtorno do Espectro Autista. Tudo que é inédito, corajoso e inovador merece o nosso apoio. Essa é uma lição de coragem e inovação”, ressaltou.

    A Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes também é parceira da pós-graduação com o Centro de Atendimento Educacional Especializado Márcia Dias Costas Nunes, onde profissionais matriculados no curso irão realizar uma das etapas do processo de formação, a etapa de pesquisa. Vivenciando assim novas experiências para a sua prática profissional.

    Por: Cláudio Paixão


    Imprimir