Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    11/06/2020

    Esquerda palmense se reúne em encontro de Tática do PT e defende união para conter avanço do fascismo

    ©DIVULGAÇÃO
    Ação conjunta da esquerda pautou o debate da abertura oficial do Encontro de Tática Eleitoral do PT de Palmas, na noite desta quarta-feira, 10. A reunião aconteceu por videoconferência e reuniu, além dos membros do diretório municipal da sigla, importantes lideranças no estado e nacional, bem como os pré-candidatos do PCdoB, PSol e PDT, em um debate que pontuou a necessidade da esquerda pensar, unida, as políticas públicas para a condução do país, estados e municípios nos próximos anos.

    “Queremos estabelecer um novo marco na política brasileira, no que diz respeito às políticas públicas que garantam que o povo brasileiro viva com mais tranquilidade”, pontuou o presidente do PT de Palmas e pré-candidato à prefeitura, João Helder Vilela.

    Também presente na reunião, o presidente do PT Tocantins e deputado estadual, Zé Roberto Lula, lembrou que o povo trabalhador brasileiro garantiu importantes avanços nos governos Lula e Dilma, mas desde o golpe que tirou a presidente Dilma, a situação do trabalhador só piorou. “Nunca os trabalhadores precisaram tanto do PT, do PCdoB, do PSol e de todos os partidos de esquerda, por isso é muito importante a presença de pré-candidatos dos outros partidos, neste momento em que estamos passando de avanço das políticas neoliberais”, disse.

    A presidente do PCdoB de Palmas e pré-candidata pela sigla à Prefeitura de Palmas, professora Germana Pires, lembrou que há um grande domínio dos ideais da direita, dos ricos, em torno dos trabalhadores e por isso “precisamos nos voltar à classe trabalhadora, ao povo da periferia". Germana destacou ainda, que “a população precisa voltar a enxergar o PT, o campo da esquerda e todos os seus projetos de desenvolvimento do Brasil”.

    O pré-candidato do PSol em Palmas, professor João Bazzoli, defendeu a união em favor do povo trabalhador e o diálogo com as “minorias” para buscar soluções para enfrentar os desafios, que já eram grandes com o levante do fascismo no país e que, com a pandemia deve se intensificar. “Temos que preparar para o processo eleitoral e teremos uma gestão sem recursos, com esse novo retrato da pandemia, vai ser um processo completamente diferente de tudo que já vivemos”, pontuou.

    Para o vereador em Palmas e pré-candidato ao Paço pelo PDT, Milton Neris, diante da atual situação que a Capital e o Brasil vivem, é preciso ressaltar o legado que o PT deixou nas gestões do Brasil, de Palmas e de outros municípios tocantinenses. “A gestão do PT deixou um legado, uma marca e esse é o momento oportuno, mesmo cada grupo com o seu projeto, acredito que as oposições devem se unir e fazer o enfrentamento da máquina estadual e municipal”, destacou Neris.

    “Uma frente de esquerda bem articulada vai poder conduzir esse processo com os outros setores da sociedade e tirar esse levante fascista no Tocantins. Só é possível derrotar a agenda do ultra neoliberalismo com a união da esquerda, e com Palmas não é diferente. O PT compreende a necessidade, nesta conjuntura, da união das esquerdas, mas ao mesmo tempo respeita o direito legítimo de cada partido ter suas candidaturas nos municípios”, concluiu Donizetti Nogueira.

    Enfrentamento 

    A ex-ministra do governo Dilma, Ideli Salvati, participou da abertura do Encontro e alertou, que a atual conjuntura coloca o Brasil em uma situação de grandes desafios. “Vamos ter um processo eleitoral agravado, pois estamos vendo o agravamento das condições de vida das pessoas e isso gera o confronto”, disse ao lembrar que “já teríamos um processo eleitoral atípico, mas com o coronavírus e as medidas, que o governo federal vem tomando, fora de tudo que os outros países estão fazendo, teremos um cenário agravado e um processo eleitoral diferente”.

    A abertura do Encontro de Tática do PT de Palmas contou ainda com a participação do Secretário Nacional de Assuntos Institucionais do PT, Joaquim Soriano, a Secretária Nacional de Mulheres, Anne Moura e os dirigentes municipais do PT em Palmas.

    Por: Fábio Coêlho


    Imprimir