Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    30/06/2020

    Governo do Tocantins assiste produtores de Augustinópolis em implantação de agroindústrias de polpas de frutas

    Com a regularização e assistência técnica, empreendimentos rural agregam valor ao seu produto, inspirando confiança ao consumidor e ainda fortalece a cadeia produtiva

    ©DIVULGAÇÃO
    O produtor rural, principalmente o agricultor familiar, por diversas vezes se depara com questionamentos relacionados ao processamento e comercialização de seus produtos. Para apoiar esse produtor a conquistar novos mercados e agregar valor aos seus produtos, o Governo do Tocantins, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) atua na assistência técnica voltada para implantação e regularização de agroindústrias em estabelecimentos rurais.


    A produtora Eva Alves Costa Nunes, da Tropical Polpas, e o produtor Mikael Lopes Cavalcante, do empreendimento Da Roça, e; ambos de Augustinópolis, do Projeto de Assentamentos Três Irmãos, recebem orientação e incentivo do órgão para formalização e produção de polpas de frutas.

    Na propriedade da dona Eva Alves, ela e o esposo Valdonez de Sousa Aguiar foram motivados pela grande quantidade de pés de acerolas na propriedade. Segundo a produtora, são cerca de 200 pés da fruta plantados na pequena propriedade. Como o negócio pareceu favorável à comercialização, eles buscaram ajuda do Ruraltins para formalização de uma agroindústria de polpas, a Tropical Polpas, que está em fase de finalização da regularização.

    Assistidos pelo engenheiro de alimentos do Ruraltins, Reldson Leal, a família conta com todo acompanhamento técnico para a formalização do empreendimento, e ainda orientação voltada às boas práticas na produção. “Acompanhamos a produção na dona Eva desde o início com relação a documentações, manuais, planta baixa e, principalmente, na parte de registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com todas as normas que devem ser cumpridas, e para que em breve eles possam produzir e comercializar as polpas”, afirma.

    “A regulamentação das agroindústrias trazem grandes vantagens ao produtor, que além de receber esse acompanhamento de assistência pública, sai da informalidade, agrega valor ao seu produto, inspirando confiança ao consumidor, na qualidade higiênico-sanitária dos artigos, e ainda fortalece a cadeia produtiva”, reforça Reldson Leal.

    Sobre as expectativas de produção, o casal está bem otimista. “Nosso foco inicial foi com a acerola, pois já temos plantadas aqui uns 200 pés, mas temos uma área grande e que já está preparada para plantar também outras frutas como a goiaba, o cupuaçu, o maracujá e o açaí. Nosso objetivo inicial é produzir mil quilos de polpas, e plantar as frutas para produzir mais variedade”, relata Valdonez de Sousa Aguiar.

    Para a comercialização das polpas, a pretensão dos produtores é atender os programas de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), bem como levar também para outras regiões do Estado.

    O produtor Mikael Lopes Cavalcante está com tudo certo para em breve fazer a inauguração da Agroindústria Da Roça, na chácara Balde Cheio. Na propriedade de 2 hectares destinados ao cultivo de frutíferas, o produtor buscou o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), para a regularização, e do Ruraltins na assistência técnica direcionada à produção e boas práticas.

    Segundo o produtor, que conta com a ajuda de quatro pessoas da família na produção, a expectativa é comercializar 30 toneladas/mês de polpas de frutas. “As polpas serão produzidas com frutas da propriedade e também adquiridas por produtores da região. Vamos comercializar polpas de acerola, maracujá, cajá, graviola”, destaca.



    Casal é assistido pelo engenheiro de alimentos do Ruraltins, Reldson Leal


    Por: Edvânia Peregrini


    Imprimir