Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    26/06/2020

    TJ discute com entidades as medidas para retorno gradual de atividades presenciais

    O Tribunal de Justiça do Tocantins está estudando um plano de retorno gradual das atividades presenciais em meio a pandemia do novo coronavírus.

    ©DIVULGAÇÃO
    Os critérios para retomada das atividades está sendo debatida de forma democrática entre a gestão do Tribunal de Justiça e as entidades representativas dos servidores Poder Judiciário no Tocantins. “Iniciamos um processo de debates para garantir que a retomada dos trabalhos presenciais seja feita de forma segura, tanto para os servidores, quanto para o público externo”, explicou o presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do Tocantins (Sinsjusto), Fabrício Ferreira de Andrade.

    A previsão é de que a retomada dos serviços presenciais comece a ser efetivada até o dia 13 de julho. “O Tribunal de Justiça abriu a possibilidade para que pudéssemos debater os critérios para garantir a segurança dos servidores e se comprometeu a realizar adaptações e oferecer dispositivos que assegurem a proteção dos trabalhadores”, destacou o presidente.

    Em sua proposta, o Tribunal pretende respeitar as peculiaridades de cada comarca e manter a possibilidade de teletrabalho para os servidores integrantes do grupo de risco ou que possuem alguma comorbidade. “As entidades puderam perceber o esmero da gestão em assegurar a prestação do serviço com segurança, isso faz com que todos saiam ganhando, principalmente a sociedade”, ressaltou Fabrício.

    O teletrabalho foi instituído no dia 23 de março e, de acordo com a Portaria Conjunta a que regulamenta, seu prazo deve ser finalizado no dia 30 de junho. O objetivo da medida era garantir a segurança dos servidores em meio a pandemia de Covid-19, doença de alto poder de transmissão.

    O Brasil contabiliza pouco mais de 1,2 milhão de infectados e 55 mil mortes. O primeiro caso no Tocantins foi confirmado no dia 14 de março e atualmente o estado já possui 9425 casos, com 183 mortes. O mês de junho registrou o maior número de casos, até esta quinta-feira, 25, foram 5249 confirmações. “Tanto o TJ quanto o Sinsjusto estão preocupados com a evolução da doença no Estado, por isso a definição das medidas está sendo planejada de forma responsável e seguindo protocolos e recomendações internacionais”, finalizou o presidente.

    Por: Erica Lima


    Imprimir