Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    02/07/2020

    Vice acusado de encomendar atentado contra prefeito será levado a júri popular

    Elson Lino de Aguiar (MDB) foi baleado na cabeça durante o crime, mas foi socorrido e sobreviveu. Outros três acusados de participar do crime, incluindo o atirador, também serão julgados pelo Tribunal do Júri. 

    Vice-prefeito de Novo Acordo, Leto Moura Leitão Filho (PR), foi preso — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
    A juíza Aline Bailão Iglesias decidiu que o vice-prefeito de Novo Acordo, Leto Moura Leitão Filho (PR), conhecido como Letim Leitão, deve ir a júri popular pela acusação de ter encomendado o atentado contra o prefeito da cidade. Elson Lino de Aguiar (MDB) foi baleado na cabeça durante o crime, mas sobreviveu. O caso foi em janeiro de 2019.

    Outras três pessoas acusadas de participação no atentado também serão julgadas pelo Tribunal do Júri. São elas: Paulo Henrique Sousa e Kelly Fernanda Carvalho, que teriam intermediado a negociação entre o vice-prefeito e o atirador e Gustavo Araújo da Silva que teria efetuado os disparos.
    Letim Leitão prestou depoimento para juíza em Novo Acordo — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
    Durante as primeiras audiências do processo os três primeiros negaram participação no crime e Gustavo Araújo assumiu os disparos, mas negou que fosse um atentado encomendado. Ele alega que invadiu a casa do prefeito com a intenção de roubar. Na decisão que levou os quatro a júri popular, a juíza aponta indícios de que o crime foi planejado.

    Ela cita imagens das câmeras de segurança de um posto de combustíveis que mostrariam Gustavo Araújo conversando com o empresário Paulo Henrique Sousa horas após o crime. Há também referências a diálogos por WhatsApp entre o empresario e o vice-prefeito, assim como com Kelly Fernanda.

    A decisão de levar os quatro a Júri Popular é desta quarta-feira (1º). Ainda não há data marcada para o julgamento. Atualmente, o vice-prefeito responde pelo crime em prisão domiciliar. Ele está afastado das funções na prefeitura.

    Todos os acusados vão responder por tentativa de homicídio com o agravante de ter empregado recurso que impossibilitou a defesa da vítima. No caso de Letim Leitão há ainda o agravante do motivo torpe.

    A investigação da Polícia Civil apontou que o motivo do crime seria um desentendimento entre os dois políticos a respeito da divisão de propinas na cidade. A versão sempre foi negada tanto pelo vice-prefeito como pelo titular.
    Prefeito foi levado ao HGP após ser baleado na cabeça — Foto: Reprodução/TV Anhanguera


    Por G1 Tocantins


    Imprimir