Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    14/08/2020

    Residente da Fesp promove arrecadação de produtos de higiene para famílias acolhidas na Casa de Apoio Vera Lúcia

    Além de acomodação, a Casa promove serviços de apoio aos internos, como orientação psicológica, pedagógica, assistência social e um cronograma diversificado de atividades

    ©DIVULGAÇÃO
    David Anderson Fernandes, 33 anos, é profissional de Educação Física e residente do Programa de Residência em Saúde da Família e Comunidade da Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp). Em seu estágio na Casa de Apoio Vera Lúcia, ele pôde conhecer de perto a realidade de muitas famílias que são acolhidas no espaço. Segundo ele, há muita carência de recursos financeiros, e até mesmo de coisas que para muitos são simples, como produtos básicos para higiene pessoal.

    Para tentar ajudar e minimizar a falta das doações neste período, David lançou uma campanha solidária para arrecadar produtos de higiene como: sabonete, papel higiênico, absorvente íntimo, creme dental, álcool em gel e máscaras. Todos os produtos arrecadados serão destinados às pessoas em situação de vulnerabilidade que atualmente estão sendo atendidas na Casa Vera Lúcia.

    Qualquer pessoa, empresa, entidade ou instituição pode participar da Ação Solidária. Para ajudar, basta entregar a doação na Unidade de Saúde Isabel Auler, situada no endereço 207 Sul Alameda 4, em Palmas, ou na sede da Casa Vera Lúcia situada na 203 Sul, AV LO-05, APM-01. Para as pessoas que não querem sair de casa, a opção é ajudar por meio de um depósito no aplicativo http://vaka.me1260713. A arrecadação ocorrerá até o dia 31 de agosto. Qualquer dúvida sobreas doações podem ser esclarecidas pelo telefone (063) 984427109.

    O profissional relata as dificuldades encontradas na instituição. “Tenho convivido bastante com a equipe que atende na Casa e também com os familiares que vêm de outros municípios do Tocantins e até de outros Estados para acompanhar um familiar doente. É muito triste saber que neste momento de tanto medo e angústia, ainda têm pessoas bem próximas da gente que não têm como comprar itens básicos para fazer sua higienização. Com a pandemia, as doações que eram feitas para a Casa de Apoio reduziram muito”, disse.

    David também lembra que é muito grande o número de pessoas que são acolhidas na Casa com pouca renda. “Por mês 40 pessoas passam por lá, e a grande maioria tem a renda familiar muito baixa e, por conta da pandemia do coronavírus, muitas pessoas perderam suas fontes de renda, dificultando mais ainda a situação. Por isso toda ajuda será bem-vinda neste momento”, disse.

    Desafio

    Com a proposta de dar mais visibilidade para a ação solidária, David correrá no dia 30 de agosto, no pátio do prédio onde reside, um total de 42 quilômetros, percurso de uma Maratona. “A corrida será para mostrar que mesmo sem sair de casa podemos nos exercitar. Durante o período que eu estiver correndo, vou fazer algumas transmissões em vídeo, usando as redes sociais para incentivar as doações e também a prática de atividade física”, explicou. Para acompanhar um pouco como será a maratona de David, basta acessar o perfil @davisaorun.

    Casa de Abrigo Vera Lúcia

    A Casa acolhe pessoas vindas de todo Tocantins e região que utilizam os hospitais públicos de Palmas. O espaço de apoio fornece hospedagem e alimentação para pacientes e familiares. Além da acomodação, a Casa promove serviços de apoio aos internos, como orientação psicológica, pedagógica, assistência social e um cronograma diversificado de atividades, que incluem palestras, atividades religiosas, contação de histórias e até minicursos de crochê e bombons artesanais, um meio de oportunizar qualificação dos internos durante o tempo de hospedagem.
    A estrutura física da Casa é composta por mais de 100 leitos equipados com beliches, cozinha, brinquedoteca, sala interdisciplinar, parquinho, área de convivência social e capela. Fica a apenas 200 metros do Hospital Geral de Palmas (HGP), o que facilita o acesso. Os hóspedes são selecionados e encaminhados pelas assistentes sociais dos hospitais públicos de Palmas. 

    SECOM


    Imprimir