Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    21/08/2020

    Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla debate o protagonismo e o empoderamento

    De 21 a 28 de agosto os debates voltam-se a políticas públicas inclusivas para pessoas com deficiências e chamam a repensar o lugar delas como protagonistas do seu lugar de direito na sociedade


    Celebrada entre os dias 21 e 28 de agosto, a Semana foi instituída em 1964 pelo Decreto nº 54.188, inicialmente titulada Semana Nacional da Criança Excepcional, porém alterada pela Lei 13.585 em dezembro de 2017 que passou a chamar Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla.

    É necessário enxergar o “normal” antes de enxergar o deficiente, é com essa máxima que a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) ressalta a necessidade da sociedade, travestida de tantas formas de preconceito e de segregação, ter um olhar humanizado em relação as pessoas com deficiência ou aos “excepcionais”, diante disso colabora com Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla, que inicia nesta sexta-feira, 21, e vai até o dia 28.

    Com o tema “Protagonismo empodera e concretiza a inclusão social”, definido pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae Brasil), a semana nacional é voltada a sensibilizar a sociedade ao desenvolvimento de conteúdos e de políticas públicas para promover a inclusão social das pessoas com deficiência diante de tantas negligências históricas de seus direitos e combater o preconceito e a discriminação.

    Para a presidente da Apae de Palmas, Aparecida Guedes, o tema da Semana deste ano foi definido com o propósito de fomentar o debate e ações estratégicas voltadas para o destaque da visibilidade e do papel da pessoa com deficiência intelectual e múltipla na sociedade, bem como de sua efetiva inclusão social. “Identificamos esse tema como vetor de mudanças no olhar para as pessoas com deficiências, no que diz respeito à ética e aos valores morais que dão concretude a existência humana”, esclarece a presidente.

    Ela reforça ainda que a Semana da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla vem ampliando ideias e fazendo repensar a pessoa com deficiência, seu lugar de direito na sociedade e assim, tornando-se protagonista, eliminando obstáculos e exclusão e ativando diferentes conquistas, em que liderem a autonomia, a cidadania, a ética e o pertencimento, efetivando sua inclusão social.

    O estudante do quarto período de Jornalismo na Universidade Federal do Tocantins (UFT), Matheus Amorim, 23 anos, diagnosticado com paralisia cerebral no nascimento, fala sobre o que o tema da semana representa para si. "Protagonismo pra mim é saber o que eu quero deixar para o mundo e dizer que, apesar de ser deficiente, eu posso fazer muitas coisas, mesmo a sociedade dizendo que eu não posso, como a minha faculdade que faz me sentir mais independente e com autonomia", ressalta.

    A semana

    A Semana foi instituída em 1964 pelo Decreto nº 54.188, inicialmente intitulada Semana Nacional da Criança Excepcional, foi alterada pela Lei 13.585 em dezembro de 2017 e passou a chamar Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla.

    O que é deficiência intelectual e múltipla

    De acordo com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), deficiência intelectual é um transtorno de desenvolvimento que faz com que o indivíduo tenha um nível cognitivo e comportamental muito abaixo do que é esperado para sua idade cronológica. Já a deficiência múltipla é quando pessoas são afetadas em duas ou mais áreas, caracterizando uma associação entre diferentes deficiências, com possibilidades bastante amplas de combinações.

    Por: Márcia Rosa

    Imprimir