Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    02/09/2020

    Banco Central lança nota de R$ 200, com imagem de lobo-guará

    Instituição encomendou 450 milhões de unidades da cédula até dezembro. Nova nota entrou em circulação nesta quarta-feira.

    Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (2) a nova nota de R$ 200 com a imagem do lobo-guará — Foto: Raphael Ribeiro/BCB
    Banco Central lançou na tarde desta quarta-feira (2) a nova nota de R$ 200. Após o lançamento, a nota, com imagem de um lobo-guará, entra em circulação ainda nesta quarta.

    Essa será a sétima cédula da família de notas do real. O Banco Central encomendou à Casa da Moeda a produção, até dezembro, de 450 milhões de cédulas do novo valor.
    Parte da frente da nota de R$ 200 lançada nesta quarta-feira (2) pelo Banco Central — Foto: Raphael Ribeiro/BC

    Verso da nova nota de R$ 200 com a imagem do lobo-guará no verso — Foto: Raphael Ribeiro/BC

    A nota de R$ 200 é a 
    primeira cédula de um novo valor da família do real em 18 anos. A última, a de R$ 20, tinha sido lançada em 2002.

    Um ano antes, em 2001, surgiu a nota de R$ 2. Nesse intervalo, houve a "aposentadoria" da nota de R$ 1, em 2005.

    Em comum, os lançamentos de cédulas têm um mesmo objetivo: diminuir as transações com dinheiro vivo, economizando com impressão de papel-moeda.

    Outro motivo apontado é a necessidade de fazer frente ao pagamento do auxílio emergencial – estimado em mais de R$ 160 bilhões considerando as cinco parcelas aprovadas.

    Boa parte dos beneficiários, sobretudo os de menor renda, preferiu sacar o benefício em espécie. Segundo números da Caixa Econômica Federal, mais de 20 milhões de saques foram feitos até esta quarta-feira.

    Em Brasília, pessoas fizeram fila na porta da agência do Banco do Brasil que liberou as notas logo após o lançamento anunciado pelo BC (foto abaixo).
    Pessoas fizeram fila em agência do Banco do Brasil, em Brasília, para obter a nota de R$ 200 assim que foi lançada — Foto: Isabella Mello/TV Globo
    Pandemia

    O presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou que o lançamento da nova cédula é uma resposta do Banco Central a mudanças provocadas pela atual pandemia de Covid-19.

    "O momento singular que estamos vivendo trouxe os mais diversos desafios, e um deles foi um aumento expressivo na demanda da sociedade brasileira por dinheiro em espécie", declarou.

    Segundo ele, o aumento da demanda verificado desde o início da pandemia não foi exclusividade do Brasil.

    "Em momentos de incerteza, é natural que as pessoas busquem a garantia de uma reserva em dinheiro. Os programas de transferência de renda implementados para enfrentar os efeitos negativos da crise e a extensão do programa de auxílio emergencial também contribuem para essa maior demanda por dinheiro em espécie em nosso país", acrescentou.

    De acordo com o presidente do BC, o pré-projeto para a nota de R$ 200 existia desde 2010.

    "Este momento, com essas necessidades, se mostrou oportuno para o lançamento de uma cédula de maior valor, cujo pré-projeto já existia desde o lançamento da segunda família de cédulas, em 2010", declarou.

    Itens de segurança

    Na cédula de R$ 200, segundo o BC, optou-se pela manutenção de elementos de segurança já existentes nas cédulas da segunda família do real:
    • o número que muda de cor, que muda do azul para o verde, com uma faixa brilhante parecendo rolar para cima e para baixo, ao se movimentar a nota;
    • a marca-d’água, que apresenta o valor da nota e a imagem do animal;
    • o número escondido, que aparece quando a nota é colocada na posição horizontal, na altura dos olhos;
    • o alto-relevo, em diversas áreas na frente e no verso da nota.
    Lobo-guará

    O animal escolhido para a nova nota, o lobo-guará, foi o terceiro colocado em uma pesquisa feita pelo Banco Central em 2001.

    A instituição perguntou à população quais espécimes da fauna gostariam de ver representados no dinheiro brasileiro.

    O primeiro lugar foi a tartaruga marinha, usada na cédula de R$ 2. O segundo, o mico leão dourado, incorporado na cédula de R$ 20.

    Por Alexandro Martello, G1 — Brasília