Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    21/09/2020

    ELEIÇÕES 2020| Com 12 candidaturas postas, disputa pela Prefeitura de Palmas promete ser acirrada

    O próximo passo no processo eleitoral agora é o registro das candidaturas, que devem ser feitas até sexta-feira, 26.

    ©REGIANE ROCHA
    Entre idas e vindas e acordos de última hora nas articulações políticas, Palmas conta até o momento com 12 postulantes ao cargo de prefeito. O próximo passo no processo eleitoral agora é o registro das candidaturas, que devem ser feitas até sexta-feira, 26.

    A campanha e o pedido de votos ainda não estão liberados, o que será permitido somente a partir do dia 27, sábado, com o registro de candidaturas oficializado, inclusive na internet. A Justiça Eleitoral deve convocar partidos e emissoras de rádio e TV para elaboração do plano de mídia.

    Por ordem alfabética, os candidatos ao Paço Municipal são: Alan Barbiero (Podemos), Cinthia Ribeiro (PSDB), Eli Borges (Solidariedade), Gil Barison (Republicanos), Joaquim Rocha (PMB), João Bazzoli (Psol), João Helder Vilela (PT), Júnior Geo (Pros), Marcelo Lelis (PV), Max Dornelys (PTC), Tiago Amastha Andrino (PSB) e Vanda Monteiro (PSL). 

    Cinthia Ribeiro e Tiago Andrino conseguiram articular o apoio de partidos históricos e eleitoralmente fortes em torno de suas candidaturas. O PSDB de Cinthia conta com a adesão à sua campanha do DEM da professora Dorinha Seabra e com o MDB do senador Eduardo Gomes. Tiago reuniu em torno de seu projeto o PP da senadora Kátia Abreu e o PSD do senador Irajá Silvestre, além do PL.

    Das 12 candidaturas, sete vão para a disputa sem coligações partidárias: Podemos, Republicanos, PSL, PMB, PTC, Psol e PT.

    Campanha na internet

    A divulgação das candidaturas na internet deve ser bastante explorada pelos candidatos, mas a utilização merece atenção. De maneira geral, a internet pode ser usada para disponibilizar o currículo, apresentar propostas, pedir votos e mostrar a plataforma de governo. A legislação eleitoral adverte que o candidato não poderá utilizar a ferramenta para atacar as pessoas nem atribuir a elas crimes que não cometeram, usar vocabulários agressivos, porque será enquadrado em crimes como calúnia, injúria e difamação.

    Em todo o processo eleitoral é necessário ficar atento às fake news, mas, neste ano, isso pode ser ainda maior: com a pandemia, a campanha eleitoral deve se tornar ainda mais virtual do que foi em 2018. Apesar das iniciativas das empresas de redes sociais e de regulamentações e fiscalizações da Justiça, o eleitor deve ficar atento às falsas notícias, que é comum no período eleitoral, a exemplo do que ocorreu em 2018.

    Horário gratuito

    O horário eleitoral gratuito começa no dia 9 de outubro e termina dia 12 de novembro, três dias antes do primeiro turno. Nestas eleições, os candidatos a vereadores não terão blocos diários na propaganda eleitoral, apenas os prefeitos.

    Os vereadores terão inserções durante o dia e 90% do tempo é distribuído aos partidos proporcionalmente ao tamanho das bancadas na Câmara dos Deputados e 10% é dividido igualmente entre todas as legendas. Quando há coligações, conta-se o tempo dos seis maiores partidos que integram o grupo, de acordo com as novas regras.

    T1


    Imprimir