Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    18/12/2020

    PALMAS| População conhece melhor hábitos das capivaras durante ação realizada pela Fundação de Meio Ambiente

    Dia ‘D’ - Capivaras acontece nesta sexta-feira, 18, das 6h às 8h e das 17h às 19h

    ©DIVULGAÇÃO
    O administrador e atleta de trilhas Wenes Neto, que faz parte do grupo ‘É Nós na Trilha’ iniciou o dia desta sexta-feira, 18, conhecendo um pouco mais dos hábitos e características das capivaras que vivem no Parque Cesamar. Ele está entre as muitas pessoas abordadas no início da manhã pelos técnicos da Diretoria de Controle Ambiental, da Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMA), durante a ação Dia ‘D’ - Capivaras, realizada entre às 6 horas e 8 horas, no período matutino e das 17 horas às 19 horas, no período vespertino.

    O Dia ‘D’ – Capivaras faz parte das atividades de manejo desses animais desenvolvidas pela FMA e tem como objetivo alertar a comunidade que frequenta o Parque sobre regras de convivência de forma harmoniosa e segura entre humanos e a espécie. Uma das regras é o respeito ao espaço e as características do animal silvestre. “Não tentar tocar, não chegar muito perto são formas de convívio seguro e pacífico”, observou o diretor de Controle Ambiental José Francisco.

    Ele lembrou ainda que é proibido alimentar as capivaras, para evitar que elas adoeçam. “Este local que eles habitam já oferece o que elas precisam para se alimentar, que são as gramíneas. Então, embora às vezes a gente fique tentado, o correto é não oferecer comida aos animais”, afirmou.

    Como trilheiro e frequentador habitual do Parque Cesamar, Wenes Neto explicou que já toma todos estes cuidados e considerou a ação desenvolvida pela FMA importante para esclarecer sobre o assunto. Ele também aproveitou para ‘conhecer’ melhor o Carrapato Estrela em observação por meio de microscópio disponibilizado pela Fundação de Meio de Ambiente.

    “É interessante conscientizar a população, principalmente as pessoas que costumam fazer piqueniques, trazendo crianças e animais domésticos, para que eles evitem tocar os animais, chegar muito próximo, para evitar incidentes. A gente precisa lembrar que o animal não tem como se defender, essa responsabilidade é nossa, por isso é tão importante essa conscientização”, avaliou o esportista.

    Ele conta que pelo menos duas vezes por semana participa de trilhas com seu grupo no Parque e que, com o tempo, observou que os animais dificilmente entram na mata, preferindo ficar nas áreas próximas ao lago. “Assim, é importante evitar também sentar direto na grama, uma vez que as capivaras podem ter algum carrapato hospedeiro, capaz de infectar o ser humano”, destaca.

    E a observação de Wenes está de acordo com um dos principais temas abordados no Dia ‘D’ - Capivaras no Parque Cesamar, que é o risco de contaminação da Febre Maculosa, através do Carrapato Estrela, principal hospedeiro da bactéria da espécie Rickettsia rickettsii. Este carrapato pode ainda ser encontrado em outros animais como aves e cobras. “Vale destacar que em 2019, a Fundação de Meio Ambiente concluiu um diagnóstico da população de capivaras de Palmas, em que não foi detectada a ocorrência da doença, mesmo assim tomar medidas de prevenção não custa nada”, explicou o diretor de Controle Ambiental, José Francisco.

    Dia ‘D’

    Durante o Dia ‘D’ – Capivaras os frequentadores do Parque Cesamar também receberem cartilha com orientação sobre as capivaras, as quais poderão depois serem trocadas por uma muda de árvore na sede da FMA, localizada no prédio do Instituto Vinte de Maio (IVM), na Arso 41 (403Sul), Avenida LO-09, lote 3 (pista do Antigo Aeroporto).

    Capivaras

    A capivara é uma espécie de mamífero roedor que vive em grupos, normalmente em habitats associados a rios, lagos e pântanos e se alimentam de gramíneas. No entanto, é um animal com grande capacidade de adaptação, podendo viver em ambientes bastante alterados pelo ser humano.

    Além do Parque Cesamar, em Palmas, estes animais podem ser vistos às margens de córregos ou fragmentos de áreas de mata ciliar onde há disponibilidade de fonte de alimento e recursos hídricos para que eles possam viver e se reproduzir.






    Autora: Georgethe Pinheiro
    Edição: Lorena Karlla

    ***