Palmas (TO),

  • LEIA TAMBÉM

    22/05/2021

    Presidente da CPI da Covid, Omar Aziz diz que Pazuello deve ser convocado para novo depoimento

    Requerimento que pede novo depoimento do ex-ministro da Saúde foi apresentado e deve ser votado na próxima semana. Aziz defende que Pazuello não obtenha novo habeas corpus.

    Omar Aziz, presidente da CPI da Covid no Senado Federal — Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
    O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), disse neste sábado (22) que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello deve ser novamente convocado para prestar depoimento. Aziz argumenta que a oitiva com o general foi “hilária” e que, protegido por um habeas corpus, Pazuello mentiu aos senadores.

    Um requerimento para reconvocar Pazuello já foi apresentado e deve ser votado na próxima semana pelos integrantes da CPI. A realização de um novo depoimento depende da aprovação desse pedido.

    O ex-ministro falou à comissão nas últimas quarta (19) e quinta-feira (20). Na avaliação de senadores, Pazuello buscou principalmente preservar o presidente Jair Bolsonaro. O relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), apontou 15 mentiras e contradições do depoimento.

    Para Aziz, Pazuello aproveitou o habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para "mentir" sem o risco de ser preso - testemunhas têm o dever de falar a verdade em CPIs.

    "Ele [Pazuello] estava com um habeas corpus debaixo do braço, que permitia que ele falasse o que ele quisesse, que nada poderia acontecer com ele. Por isso que ele está sendo reconvocado, vai ser reconvocado na quarta-feira”, afirmou o senador durante live promovida pelo Grupo Prerrogativas.

    “A gente espera que a gente possa trabalhar sem a ingerência do Supremo nessa questão, até porque, se o ministro [Ricardo] Lewandowski assistiu [ao depoimento na CPI], ele disse 'não posso dar de novo habeas corpus pro cara mentir'”, afirmou Aziz.

    A pedido do general, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, concedeu um habeas corpus para que ele tivesse direito de ficar em silêncio na CPI da Covid sempre que entendesse que as perguntas pudessem levá-lo ao risco de produzir prova contra si.

    A decisão, porém, definiu que Pazuello teria de falar a verdade em questionamentos nos quais o ex-ministro não pudesse se incriminar. Para Aziz, o general mentiu para defender Bolsonaro.

    "O Pazuello foi lá e defendeu Bolsonaro como se estivesse defendendo o filho dele. Talvez um pai não mentisse tanto pelo filho como o Pazuello mentiu pelo Bolsonaro", disse o presidente da CPI.

    Nesta sexta-feira (21), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou requerimento pedindo a nova convocação de Pazuello. A previsão é votar o requerimento na quarta-feira (26).

    No documento, Vieira sustenta que o depoimento de Pazuello foi “permeado por diversas contradições verificadas no cotejo com documentos e informações disponibilizados a esta CPI e mesmo publicamente divulgados”.

    Até o momento, Pazuello foi o único depoente que compareceu à comissão por duas vezes. Tanto na quarta quanto nesta quinta-feira, a oitiva foi interrompida quando ainda havia inscritos para fazer questionamentos.

    Bolsonaro “brincando”

    Neste sábado, Aziz criticou declarações recentes de Jair Bolsonaro e afirmou que o presidente fica “brincando como se a gente tivesse vivendo uma palhaçada”. Em live na última quinta-feira, Bolsonaro falou sobre a Zona Franca de Manaus – Aziz é senador pelo Amazonas.

    “Imagine Manaus sem a Zona Franca. Hein, senador Aziz, você que fala tanto na CPI, senador Eduardo Braga, imagine aí o Estado, ou Manaus, sem a Zona Franca”, afirmou Bolsonaro.

    “Eu não imagino Manaus sem a Zona Franca. E eu imaginava um presidente lutando para trazer vacina e imunizar o povo", afirmou Aziz neste sábado.

    O senador também disse que Bolsonaro está com "raiva", porque queria que ele determinasse a prisão do ex-secretário de Comunicação Fabio Wajngarten e "acabasse a CPI naquele dia".

    "Aquilo seria o momento épico dele, seria o discurso para acabar com a CPI e a gente não continuasse as investigações", disse.

    Durante depoimento de Wajngarten no último dia 12, o relator Renan Calheiros ameaçou mandar prender o ex-auxiliar do governo por estar mentindo. O presidente da CPI, no entanto, não acatou o pedido.

    Aziz comentou ainda as poucas reuniões que Pazuello relatou ter tido com o presidente durante a pandemia. "O presidente tinha que se mudar para o Ministério da Saúde. Em vez de fazer live e ficar brincando, fazendo chacotinha, pega o telefone e liga para os principais líderes mundiais”, afirmou.

    Por Marcela Mattos, G1 — Brasília


    ***